LUZ INTENSA PULSADA

A Luz Intensa Pulsada é ideal para o tratamento do fotoenvelhecimento da pele, causado naturalmente pela idade e pela exposição ao sol ao longo dos anos, que fazem surgir manchas, rugas e que provocam alteração na textura da pele.

É  indicada para combater as rugas finas, sardas e manchas, bem como para o tratamento de olheiras, lesões vasculares (vasinhos), rosácea e acne, além de melhorar a textura e o aspecto visual da pele como um todo. Por ter diferentes comprimentos de onda, a luz pulsada agirá combatendo as lesões superficiais e se aprofunda em seguida, estimulando a produção de colágeno, dando à pele um aspecto mais limpo, viçoso e tonificado.

Essa tecnologia é mundialmente utilizada para se obter o rejuvenescimento, pois emite calor que agirá sobre a pele em diferentes profundidades, devido à sua amplitude de comprimento de ondas. Assim, torna-se capaz de tratar diferentes alterações da pele numa mesma aplicação. Isto é o que a diferencia do laser.

A luz pulsada pode ser aplicada em diversas áreas do corpo como face, dorso das mãos, colo e pescoço. O procedimento é rápido e, comumente, bem tolerado pelo paciente. Podem ocorrer dor, eritema (vermelhidão), formação de crostas (casquinhas), inchaço ou irritação, a depender da sensibilidade do paciente e da intensidade da aplicação, mas em geral são lesões brandas que passam em poucos dias e que não impedem o paciente de retomar suas atividades normais em poucos dias após o procedimento.

Para o melhor resultado, recomenda-se de três a quatro sessões, com intervalos de 30 dias, o que será avaliado pelo médico, de acordo com o objetivo e o tipo de pele e lesão de cada paciente. O procedimento não é recomendável para gestantes, pessoas com vitiligo ou infecções no local a ser tratado, pessoas de pele negra ou bronzeada, e pessoas em uso de alguns medicamentos ou doenças que aumentam a sensibilidade à luz.

ORIENTAÇÕES PRÉ-PROCEDIMENTO: 

  1. Evitar exposição solar e aplicar protetor solar/bloqueador topicamente por no mínimo duas semanas antes do tratamento;
  2. O preparo da pele deverá ser feito conforme as orientações médicas. Suspender o creme de pré-tratamento três dias antes do seu procedimento;
  3. Medicações antibióticas e/ou antivirais profiláticas podem ser indicadas e devem ser usadas de acordo com o critério médico;
  4. Informar ao médico durante a consulta se faz uso de algum medicamento, bem como histórico de saúde, sensibilidade e alergias, bem como se houve algum tipo de bronzeamento ou se apresenta qualquer tipo de reação a qualquer tipo de luz ou se é portador de doenças fotossensíveis (lúpus eritematoso, erupção polimorfa à luz, dentre outras).

ORIENTAÇÃO PARA O DIA DO PROCEDIMENTO:

  1. Chegar com 30 minutos de antecedência para realização de fotos da região que será tratada;
  2. Exposição Ocular: proteção para os olhos (óculos especiais) será fornecida. É importante usar esses óculos todo o tempo do tratamento para se proteger de exposição acidental.

ORIENTAÇÕES PÓS-PROCEDIMENTO:

  1. Aplicar compressas frias imediatamente após o tratamento, a fim de amenizar a sensação de aquecimento no local tratado, que poderá durar algumas horas;
  2. Evitar tocar (ficar “cutucando”) e esfregar agressivamente a pele tratada;
  3. Usar um chapéu de proteção e óculos escuros nas primeiras duas semanas ao sair de casa;
  4. Evitar a esfoliação tópica por quatro semanas;
  5. O uso de maquiagem mineral está liberado depois que a pele estiver cicatrizada;
  6. Utilizar hidratante antes do filtro solar e repetir várias vezes ao dia, de acordo com as orientações médicas;
  7. Calmante: se o(a) paciente sentir queimação, borrifar água Thermal ou água filtrada ou fazer compressa por 10 minutos;
  8. Iniciar o uso do filtro solar logo após o procedimento. Evitar ao máximo qualquer tipo de exposição solar.

 

COMPLICAÇÕES E POSSÍVEIS EFEITOS ADVERSOS:

  1. Hipopigmentação;
  2. Hiperpigmentação temporária;
  3. Dor transitória e sensação de queimação podem surgir imediatamente após o tratamento, mas são rapidamente resolvidas;
  4. Pacientes com história de herpes simples podem ter uma reativação desta ocorrência;
  5. Formação de cicatriz hipertrófica (dura e avermelhada). Tal possibilidade aumenta principalmente se o(a) paciente estiver bronzeado(a);
  6. Reaparecimento da lesão (raramente) ou do problema tratado.
  7. Raramente queimaduras na pele.